sábado, 7 de junho de 2014

Resenha: Misto Quente, de Charles Bukowski

" Que tempos penosos foram aqueles anos – ter o desejo e a necessidade de viver, mas não a habilidade."

Misto Quente foi o primeiro e o melhor livro que li do Velho Buk até agora (posteriormente fiz a leitura de Factotum e Pulp). Nessa obra conhecemos a vida do jovem Henry Chinaski, que nasceu na Alemanha mas logo teve que se mudar para os Estados Unidos. Chinaski leva uma vida como a de vários jovens. Uma vida solitária,  mergulhado no tédio, com pais que não dão mínima para a sua existência . Um pai autoritário e uma mãe omissa, o que traz graves consequências para a vida de Chinaski. O livro fala da vida familiar, escolar até os tempos universitários do jovem, universidade cuja ele desistiu no meio do período ao fazer o curso de jornalismo.

Misto-Quente 

 Um fator que deixa o livro bem interessante é que ele é narrado em primeira pessoa, deixando a leitura bastante agradável. Com muito humor ácido, o velho tarado retrata o mundo sujo e escroto em que vivemos, você fica mais perto da dura realidade da vida. Algumas de suas aventuras quando ele estava lúcido ou bêbado se baseiam nada vida real de Bukowski, juntas as historias de Chinaski formam uma trilogia, o segundo livro é Factotum onde Bukowski fala sobre a vida de Chinaski  depois da adolescência, geralmente ele não passava um ano em um emprego. Só sabia fumar, beber e fumar e se foder e foder mulheres e fumar. Sendo assim o leitor tem a oportunidade de conhecer os vários lugares e histórias onde Chinaski trabalhou. O terceiro e último livro é "Mulheres", o livro fala sobre as mulheres que passaram pela vida de Chinaski.

enfim vou ser breve. O livro é viciante e a leitura mais que recomendada


trechos excelentes como esse:
 
"O universo da faculdade era brando, um faz de conta. Jamais lhe diziam que esperar do mundo real lá fora. Apenas entupiam você com teorias e nunca o alertavam a infinita dureza dos calçamentos. Uma educação universitária poderia destruir um individuo para sempre. Os livros podiam fazer de você um frouxo. Quando você os deixa de lado e vai ver como realmente são as coisas do lado de fora, então é preciso ter o conhecimento que não está naquelas páginas."
e ao mesmo tempo escroto:

"Fechei meus olhos e fiquei escutando as ondas. Milhares de peixes mar adentro, devorando uns aos outros. Infinitas bocas e infinitos cus, engolindo e cagando. A Terra inteira não era nada além de bocas e cus engolindo e cagando e fodendo".

Nenhum comentário:

Postar um comentário